quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Interessante para professores e psicólogos.


E mais em:
Classroom Management Part 1 (structures)http://www.youtube.com/watch?v=vvlR7o81x2Q
Classroom Management Part 2 (engagement)http://www.youtube.com/watch?v=s9yOOwGYYfU
Checking for Understandinghttp://www.youtube.com/watch?v=vd7TO9alAss
Differentiationhttp://www.youtube.com/watch?v=mVRYSC8YyYA
Small Group Instruction http://www.youtube.com/watch?v=AF3T2aZM3ko
Solving Word Problemshttp://www.youtube.com/watch?v=WQYzOpcnWxs
Solving Percentage Problemshttp://www.youtube.com/watch?v=KewfKIXRRtI
Adding & Subtracting Fractionshttp://www.youtube.com/watch?v=wGx7I4TnTWA
Multiplying & Dividing Fractionshttp://www.youtube.com/watch?v=OM5KkKk1dvE

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

terça-feira, 13 de abril de 2010

sábado, 6 de outubro de 2007

termómetro das emoções

O termómetro das emoções serve para ajudar a situar o grau de intensidade de uma emoção. Costuma usar-se para clarificar o sentir do aluno e também para ajudar a descatastrofizar. Neste último caso procede-se do seguinte modo: pede-se ao aluno para pensar numa catástrofe, na pior coisa que poderia acontecer e insiste-se para que seja algo realmente grave. Dizemos-lhe que vamos posicionar o que ele sentiria nessa situação no "cem graus". Depois pede-se para dizer um acontecimento muito "relaxado", sem qualquer stress. Posiciona-se esse sentir no "zero graus". De seguida pede-se para situar o acontecimento que já sabemos que ele catastrofiza. O resultado vai ser a tendência para relativizar o problema sentido. Experimentem!



princípios da gestão do tempo

A GESTÃO DO TEMPO

Já houve quem afirmasse que o problema existencial mais importante que cada homem enfrenta desde que nasce até que morre é: “como organizar o meu tempo de vida?”.

Por um lado há pressões no sentido de rentabilizar o trabalho ou o estudo, por outro a ilusão de que viver bem é evitar o desagradável, as horas de estudo por exemplo.
É inútil procurar o prazer a toda a hora, ou ter a ilusão de que se perdem os melhores anos da vida.
A idade de ouro não existe, a felicidade resulta de uma satisfação relativa com a vida que aos poucos se vai construindo através de uma adequação entre o mundo interior e o exterior .

NENHUM PROGRESSO OU SUCESSO
DURÁVEL SERÁ ALCANÇADO ENQUANTO ACREDITARMOS QUE É AGORA OU NUNCA QUE ATINGIMOS A FELICIDADE TOTAL E QUE ESTA É UM TUDO-OU-NADA.


Caminhar para o sucesso em qualquer dos domínios da vida implica reconhecer tranquilamente e aceitar o sacrifício de muito esforço e preseverança que não são recompensados de imediato. Faz sentido questionarmo-nos: “O que é que eu quero verdadeiramente? Que preço tenho de pagar neste
momento?”

Se há objectivos que queres alcançar daqui a muitos anos, tens de começar hoje mesmo a preencher “o espaço” que te separa deles! Talvez queiras ser mais eficiente, conseguir mais, melhor, fazer ou ser diferente, etc. Para tal é fundamental que especifiques esses objectivos em acções, diagnostiques o que te está a prejudicar, encontres soluções e as ponhas com em prática.


FORMULA OBJECTIVOS

Olha para ti e para a tua vida como um conjunto de resultados que são parcialmente da tua responsabilidade. Dentro dos limites do realismo, quanto mais responsável te sentires, maior o controlo que poderás ter sobre ti e a tua vida.

Imagina as acções que tens que executar no próximo ano/ mês /semana para procurares alcançar as tuas GRANDES METAS. Depois relaciona-as com as tarefas que tens de fazer no âmbito escolar. Procura encontrar um sentido, uma relação estimulante entre eles: MOTIVA-TE!
Define e escreve os teus objectivos para o próximo mês/ semana e dia. Verifica se esses objectivos são realistas, e se o seu cumprimento é observável ; usa uma linguagem positiva. Por ex. Em vez de “vou deixar de ser preguiçoso”, diz “vou fazer os T.P.C. 80% das vezes”

O MODO COMO USAS O TEMPO

O diagnóstico precede o tratamento.
Regista o tempo utilizado com as diversas actividades quotidianas. Compara esse gasto com o que seria necessário para cumprires os teus objectivos. Reflecte sobre as causas da diferença.

Faz uma estimativa do tempo que gastas por mês e ano com as diferentes actividades e reflete sobre o teu grau de satisfação e eficácia com essa utilização. Formula objectivos de melhoria.

Organiza-te seguindo os princípios da gestão do tempo.


É TEMPO DE MUDANÇA?

A gestão do tempo é um dos ingredientes da eficácia pessoal, para além de diminuir o stress, a fadiga, a culpabilidade e aumentar o amor-próprio. No entanto, apesar das vantagens óbvias, podem surgir dificuldades na modificação dos velhos
hábitos devido à energia que tal requer, ou por estarmos a fazer truques a nós mesmos e aparentemente agirmos de modo contrário ao que pretendemos ,como é o caso quando procrastinamos, dado que subconscientemente temos algum benefício secundário com o comportamento ineficaz; podemos também estar a usar maneiras distorcidas de pensar.

SUPORTES & APOIOS

· A agenda pessoal é uma ferramenta imprescindível, mas interessantes são também algumas aplicações informáticas que existem no mercado e te ajudarão a planificar actividades.
· Para conheceres mais estratégias, conversa com pessoas muito ocupadas que gerem o seu tempo com sucesso.
· Em caso de dificuldades maiores ou simplesmente para obteres mais informação, contacta com o Serviço de Psicologia e Orientação da tua escola.

princípios da gestão do tempo

1 - Decide o que queres fazer durante o dia, a semana, etc.

2 - Faz uma lista das coisas que tens de fazer e das que gostarias de fazer. Estima o tempo para cada uma.

3 - Se o conjunto de tarefas excede o tempo de que dispões, decide as prioridades. “ O que deve ser feito hoje; o que pode esperar e até quando; o que queres fazer hoje; o que acontece se não fizeres X, etc.”

4 - Cria uma sequência de tarefas a serem feitas. Encontra uma ordem com a qual “te dês” melhor: algumas pessoas pensam que o dia se passa melhor se começarem pelas tarefas prioritárias e depois prosseguirem com as que gostam, pois deste modo, cada vez que imaginam como vai ser o resto do dia “vêem” coisas agradáveis.

5 - Procura fazer uma tarefa de cada vez e terminá-la. Não saltes de uma actividade para outra deixando para trás um conjunto de coisas parcialmente completas. Em geral, desta maneira, cada tarefa demora mais, pois perdes tempo a repetidamente sintonizares-te com ela. Além disso, temos tendência para nos lembrarmos mais de tarefas incompletas, o que interfere com as que queremos realizar no presente.

6 - Faz pausas entre as actividades. Planeia breves intervalos e tempos para relaxar.

7 - Revê as prioridades e progressos pelo meio do dia.

8 - Fica atento à procrastinação. Estarás a evitar a tarefa porque propuseste a ti próprio objectivos muito exigentes? Terás sido irrealista acerca do que podes fazer? Poderás fazer essa tarefa já e livrares-te dela para o resto do dia?

9 - No fim do dia recorda o que conseguiste fazer, dá crédito a ti próprio e planeia o próximo dia.

terça-feira, 2 de outubro de 2007

sexta-feira, 30 de março de 2007

discalculia



gente famosa com discalculia


quarta-feira, 28 de fevereiro de 2007

sábado, 17 de fevereiro de 2007

um programa que lê textos em português

Ainda não é perfeito, mas é gratuito. Uma ferramenta para invisuais e para disléxicos. Faça download neste site.

sábado, 3 de fevereiro de 2007

cartoons e outras imagens

clique aqui para entrar no site corbis

dislexia -sites interessantes

clique aqui para ter acesso a um site muito interessante em língua portuguesa

clique aqui para ter acesso a um site em língua francesa

PHDA - histórias de sucesso!

histórias de sucesso: clique aqui para ler artigo.

PHDA- perturbação de hiperactividade e défice de atenção

Sites de interesse:

http://www.chadd.org (inglês)
http://www.addforums.com (inglês)
www.apdch.net (português)

sexta-feira, 22 de dezembro de 2006

A-forum

este é um espaço de debate...

terça-feira, 19 de dezembro de 2006

como se faz uma entrevista?

O que é uma entrevista?

Uma entrevista é uma conversa em que uma pessoa pergunta e a outra responde.

A quem pergunta chama-se o entrevistador e a quem responde chama-se o entrevistado.

O que se pergunta?

O entrevistador pede informações e opiniões ao entrevistado sobre um assunto escolhido.

Quem escolhe o assunto é o entrevistador, mas este deve perguntar ao entrevistado se aceita dar informações e opiniões sobre esse mesmo assunto antes da entrevista começar.

O entrevistador deve evitar dar as suas opiniões sobre o assunto.

Se queres fazer uma entrevista então deves dar os seguintes passos:

- Decidires que informações queres recolher com a entrevista.

- Escolheres alguém que te possa dar estas informações através de uma entrevista.

- Pensares e escreveres as perguntas ou os assuntos a questionar.Se quiseres respostas mais completas do que o “sim” “não”e “talvez”, deves fazer perguntas abertas. As perguntas abertas são aquelas às quais não se pode responder com estas poucas palavras. Compara as respostas que dás às perguntas que agora te faço: gostas de andar na escola? Do que é que gostas na escola? A primeira é uma pergunta fechada, a segunda é uma pergunta aberta. As perguntas devem ser muito simples e pequenas para não criarem confusão.

- Treinares a entrevista usando um gravador ou ensaiando com um amigo ou colega (ou outra pessoa).

- Contactares com o entrevistado e dares-lhe um ideia rápida de quem és e do que pretendes falar com ele. Marca o local e a hora da entrevista.

- Sempre que possível deves chegar ao local da entrevista mais cedo do que o combinado e preparares as cadeiras, a mesa (se a houver), levar as perguntas escritas, folhas em branco, caneta e gravador (opcional).

- Apresentares-te ao entrevistado e explicares o objectivo da entrevista. Pedires-lhe licença para escrever ou gravar as suas respostas.

- Fazeres as perguntas uma de cada vez, ouvires atentamente a resposta e assim que conseguires toma nota por escrito. Poderás optar pelo uso do gravador.

- Se a resposta te parecer complicada, verifica se a compreendeste perguntando por exemplo: eu percebi que a sua opinião era ...blá blá blá. Era isto que me queria dizer?

No fim agradece e despede-te.




ATENÇÃO

Como em qualquer conversa o nosso corpo também “fala”. Assim deves ter uma expressão simpática, interessada e atenta. Conseguirás fazer estas expressões se realmente te sentires nessa altura simpático, interessado e atento.






BOM TRABALHO!

aconselhamento parental: treino de pais


Análise Funcional do comportamento

Definir comportamentos

Aprender a registar comportamentos.

a) Que parâmetros registar: frequência, intensidade, duração
b) Registo contínuo/Registo por intervalos

Estabelecer linha base


Técnicas para Aumentar a Frequência de Comportamentos: Reforço Positivo

Selecção de Reforços

1) Identificar reforços eficazes para aquele indivíduo.
2) Utilizar diferentes reforços.
3) Usar sempre que possível reforços generalizados. Passar da utilização de reforços
materiais para reforços sociais e naturais do meio ambiente do indivíduo.
4) Assegurar-se do controlo das fontes de reforço e que não existam contingências
competidoras.

Aplicação dos Reforços

1) Cada vez que se aplica um reforço deve-se clarificar o comportamento e a relação entre o comportamento e o reforço aplicado (facilita a discriminação).
2) Aplicar os reforços de forma imediata e contingente, para posteriormente ir aumentando o lapso de tempo entre o comportamento e o reforço.
3) Reforçar a conduta frequentemente (programa contínuo) até chegar a uma frequência ideal, para depois passar a um programa intermitente.
4) No caso de um comportamento complicado, dividi-lo em passos e reforçar a criança a cada passo conseguido. No início, reforçar aproximações ao comportamento desejado.

orientações para professores tutores


ORIENTAÇÕES


Tutoria pode definir-se como um processo em que uma pessoa, ajuda e apoia a aprendizagem de outra de uma forma interactiva, significativa e sistemática.

A tutoria era já uma prática comum na Grécia e Roma antigas. Actualmente a investigação mostra que a tutoria pode ser altamente eficaz, pois permite ao aluno mais reflexão acerca da aprendizagem, uso de vocabulário mais simples, mais exemplos, mais prática, mais feed-back e elogio, maior auto-regulação e tomada a seu cargo do processo de aprendizagem, mais incitamento e autocorrecção, maior resolução de mal entendidos, entre outros.


OBJECTIVOS


A tutoria está prevista na legislação e os seus objectivos são:

- apoio à integração do aluno na turma e na escola
- aconselhamento e orientação no estudo e nas tarefas escolares
- promover a articulação das actividades escolares com outras actividades formativas

Para alcançar estes objectivos deve o tutor articular com a família, apoios educativos, SPO e DT.



PROCEDIMENTO

O procedimento proposto para a tutoria é o seguinte: encontros semanais, entre tutor (professor) e tutorado (aluno) em formato de sessões de trabalho e de entrevista:


A entrevista é a situação concreta de diálogo entre o tutor e o aluno. Na entrevista pode conhecer-se melhor o aluno, oferecer-lhe uma ajuda personalizada e ajudá-lo a conhecer-se melhor. É ideal para os primeiros encontros, para ajudar os alunos a integrarem-se na turma e na escola, para resolver problemas, para momentos críticos, entre outros.



O trabalho do tutor baseia-se num relação de confiança, empatia, envolvimento, genuinidade e é centrado nas necessidades do aluno. É um processo de ACONSELHAMENTO.

As sessões/entrevistas de trabalho serão semidirectivas e semiestruturadas: o objecto de diálogo e de trabalho é negociado entre tutor e tutorado de modo a encontrar convergências entre as necessidades identificadas pelo CT e as percebidas pelo aluno.



Nas entrevistas/sessões de tutoria, sugere-se ao tutor:

Evitar interrogatórios e o desejo de controlar a situação;

Não ser impositivo, nem manipulador, nem paternalista;

Informar claramente que se deseja ajudar, que o tutor se interessa pelo aluno e que este pode contar com ele para expor as suas dúvidas e problemas;

Suprimir o 'protocolo' para se conseguir uma situação agradável, em que o aluno se sinta cómodo, seguro e sem se sentir julgado nem pressionado;

Não tentar conseguir tudo numa única entrevista; a tutoria é um processo contínuo, por isso deve haver entrevistas periódicas;

Não ter pressa;

Planificar a sessão de forma semi-estruturada e não a converter numa conversa informal.



O encontro inicial serve para estruturar a relação e motivar o aluno:

- Começar com um tema que possa ser interessante para o aluno compreender que o tutor não quer ser directivo. Sugestões de temas:
l. Expectativas que o aluno tem a curto, a médio e a longo prazo;
2. O que lhe agrada mais e o que agrada menos no trabalho escolar em geral;
3. Como pode melhorar os seus hábitos de trabalho e de estudo;
4. Se é feliz com o que faz e como o faz;
5. Que tipo de relação considera idónea entre professor e aluno

- Reflectir em conjunto sobre aspectos académicos e o futuro pessoal e escolar do aluno

- Questionar o aluno sobre as expectativas face à tutoria, corrigi-las se necessário e explicar-lhe como vai funcionar a mesma, o papel do tutor e o que se espera do aluno, o horário, como vão lidar com as faltas, etc..

- Por fim, deixar algum tema iniciado para a próxima entrevista. Para motivar alguns alunos poderá ser interessante planear para um futuro próximo uma sessão em que o aluno ensina algo ao tutor.


Nas sessões seguintes o tutor procurará aprofundar a relação de confiança, mostrando que está a fazer compreensão empática e escuta activa, assumindo posteriormente uma atitude de apoio na resolução de problemas.


As técnicas a usar poderão ser:


Posicionamento a 90º do tutor face ao tutorado

Uso da paráfrase. Ex: "então sentes que a mudança de turma te vai ajudar a melhorar os resultados escolares?". É imprescindível para criar uma boa relação e é acompanhada de suspensão da crítica, ou das sugestões.

Trabalho com o aluno (depois de ouvido atentamente), para transformar os problemas em objectivos. Em seguida listam-se propostas de solução, realizadas pelo aluno e pelo tutor.




Nas sessões de trabalho no apoio à organização do estudo, à aprendizagem de métodos de estudo e à realização de tarefas escolares, os tutores devem:

- Apoiar a realização de tarefas concretas, sendo por vezes necessário acompanhar o aluno até ao Centro de Recursos, salas de estudo ou até professores que possam esclarecer dúvidas.
- Ter como alvo os objectivos do aluno e as suas necessidades percebidas. Por vezes os alunos querem resolver pequenas tarefas mais do que realmente aprender. Deve-se começar tendo em conta as preocupações imediatas dos alunos, mas aos poucos tentar alargar os seus objectivos.
- Caminhar por pequenos passos.
- Equilibrar apoio e desafio de modo a que o aluno se vá tornando mais autónomo e se mantenha motivado.
- Evitar sermões. Fazer intervenções curtas.
- Usar a revisão e síntese dos encontrso anteriores e durante cada encontro.
- Concentrar-se na tarefa em mãos, evitando derivar para conversas irrelevantes. O tempo de tutoria é precioso.
- Variar. Misturar tarefas simples e difíceis, curtas e longas, altamente estruturadas e abertas, falar, ouvir, ler e escrever.
- Questionar. Não faça perguntas que exijam um resposta monossilábica. Ponha questões abertas, mas simples. Faça perguntas que levem o aluno a aplicar, analisar, prever, classificar, sintetizar, justificar ou avaliar o que está a aprender.
- Dar tempo para pensar.
- Elogiar quando os alunos resolverem problemas ou tarefas difíceis para eles. Elogie a autocorrecção. Elogie quando a frequência de erros diminui. Elogie uma actuação melhor, ainda que não seja perfeita. Elogie pela participação na sessão de tutoria. Elogie eficazmente especificando a razão porque o faz.


RESUMO

A tutoria visa apoiar o aluno na sua integração sócioafectiva na escola e no estudo e realização de tarefas escolares, articulando com a aprendizagem não formal.

O tutor usa a entrevista semiestruturada e semidirectiva para: estabelecer com o aluno uma relação de confiança, conhecer o aluno, motivá-lo, ajudá-lo a (re)formular objectivos, resolver problemas, aumentar o seu auto-conhecimento e a sua integração sócio-afectiva, explorar interesses...

A entrevista tem dois grandes momentos: um de escuta activa e empática, sem críticas nem sugestões e outra de formulação de objectivos e exploração de alternativas para resolver problemas concretos.

O tutor usa as sessões de trabalho e estudo para ajudar o aluno a organizar-se e a realizar o estudo e as tarefas escolares, ensinando através de demonstração o uso de métodos de estudo...

Na mesma sessão poderá usar as técnicas de entrevista e de sessão de estudo.

segunda-feira, 18 de dezembro de 2006

etapas para uma comunicação eficaz

· Qual é o meu objectivo prioritário?

· O que espero exactamente do destinatário da minha mensagem?

· Como poderei saber se atingi o meu objectivo?

· Quem é o meu interlocutor?
( disponibilidade, vontade, competência, experiência, recursos,etc.)

· Quais os meios que possuo?
* Os meios que domino melhor
* Os mais adaptados ao interlocutor
* Equilíbrio entre custos e benefícios
* Como posso adequar os meios ao meu interlocutor

· Como despertar o interesse do interlocutor
* Como posso mostrar-lhe o meu respeito e auscultar a sua disponibilidade e interesse?
* Como vou explicar-lhe o motivo da abordagem e o que espero dele?

· Transmitir a mensagem adaptando-a ao interlocutor (linguagem verbal e não verbal)

· Dar e pedir feed-back de modo objectivo e específico:
* Correctivo
* Informacional
* Reforçador

contrato de trabalho a termo certo

CONTRATO DE TRABALHO A TERMO CERTO
Entre a Contel, Lda. , com sede na rua xis, 45 B, registada na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa, sob a matrícula 12345, pessoa colectiva n.º 999989, neste acto representada pelo seu director de pessoal João Freitas, na qualidade de primeiro outorgante e Luís Boal, solteiro, portador do B.I. n.º 8765432, de 4 de Janeiro de 1993, emitido em Lisboa, contribuinte n.º 65456789, residente na rua do Sobe e desce, n.º 50, igualmente em Lisboa, celebra-se o contrato de trabalho a termo certo, que se rege pelas normas legais em vigor e submete-se às seguintes cláusulas, na qualidade de segundo outorgante:

O contrato terá o seu início de vigência a 1 de Janeiro de 2007.

O prazo de vigência do contrato é de seis meses a contar da data estipulada na cláusula anterior.

Existirá um período experimental de quinze dias, no decurso do mesmo qualquer das partes poderá rescindir o presente contrato sem aviso prévio nem invocação de justa causa, não havendo lugar a qualquer indemnização.

O presente contrato vigorará pelo prazo estabelecido na cláusula segunda, em razão de um acréscimo temporário da actividade da empresa, nomeadamente a …….

O segundo outorgante com a categoria de Técnico de aaaaa, exercerá funções de instalação, manutenção e reparação do equipamento da empresa.

Pelos serviços prestados, o primeiro outorgante pagará mensalmente ao segundo outorgante o vencimento ilíquido de x Euros, ao que se acresce y Euros diários e z Euros, a título de subsídio de alimentação e de transporte, respectivamente.


O trabalho será prestado na sede do 1º outorgante anteriormente identificada.


O período semanal de trabalho tem a duração de 40h, compreendida entre 2ª e 6ª feira, observando-se o seguinte horário diário:Entrada entre asa 8h00 e as 10h00Almoço- 1 hora entre as 12h00 e as 14h00Saída entre as 17h00 e as 19h00

O 2º outorgante gozará, nos termos da legislação aplicável, do direito de férias.
10º
Os prazos de aviso prévio para a denúncia e resolução do presente contrato são os resultantes das disposições aplicáveis no ...(referência ao Código de Trabalho).
Lavrado em Lisboa, em quinze de Dezembro de 1997, constando de dois exemplares, devidamente assinados e distribuídos a ambas as partes.

O primeiro outorgante:


O segundo outorgante:

assertividade em situações de trabalho-ficha de treino

ASSERTIVIDADE EM SITUAÇÕES DE TRABALHO



SITUAÇÃO 1 - EXPRESSAR ABORRECIMENTO OU DESPRAZER

Você é um supervisor e um dos seus subordinados chega sistematicamente tarde ao trabalho, por isso chamou-o ao seu gabinete para discutirem este assunto.

VOCÊ: ___________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

SUBORDINADO: Não tenho culpa, adormeci.

VOCÊ:____________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________


SUBORDINADO: Quinze ou vinte minutos não fazem grande diferença pois não?!

VOCÊ:______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

SUBORDINADO: Já vi outros colegas chegarem tarde, não sou o único!

VOCÊ:____________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________




SITUAÇÃO 2 - RECUSAR UM PEDIDO

Está com trabalho “pelos cabelos”. Não pode assumir qualquer outra tarefa neste momento. Um dos seus colegas chegou agora ao pé de si para lhe pedir ajuda no trabalho dele.

COLEGA: Estou muito ocupado e preciso que alguém fique a vigiar a minha máquina durante o intervalo do almoço.

VOCÊ:____________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

COLEGA:Por favor, só desta vez.

VOCÊ:____________________________________________________________________________
___________________________________________________________________________

COLEGA: Não estás assim tão ocupado!

VOCÊ:____________________________________________________________________________
__________________________________________________________________________________

OEP- as funções dos engenheiros

Segundo o dicionário o Engenheiro é:

“Uma pessoa que adquiriu uma formação superior e se especializou na colocação em prática de certas aplicações da ciência. Os seus conhecimentos tornam-no apto a participar em investigações, a ocupar funções científicas ou técnicas activas, com vista a criar, organizar, dirigir os trabalhos que daí decorrem e ter um papel na chefia ou na assessoria técnico-científica.”


O PAPEL DO ENGENHEIRO NA CRIAÇÃO E CONCEPÇÃO -I & D

· O engenheiro concebe ou cria bens tangíveis utilizando a sua competência técnica e científica.
· Trata-se da criação e concepção de novas ideias, novos meios ou métodos, novos bens materiais.
· A criação e concepção desencadeia um processo em quatro fases:

I -Investigação
II - Estudo
III - Fabricação
IV - Comercialização



************


I - Investigação


Realizada em laboratórios, raramente consiste na procura de leis gerais da Física, da Química, da Electricidade, etc. (investigação fundamental). É muito mais frequente que se trate de investigação aplicada, orientada para o melhoramento de determinado produto.


II - Estudo


É nos “Gabinetes de Estudos” ou nos “Gabinetes de Estudos e Desenvolvimento” que se dão os últimos passos da investigação aplicada. São desencadeadas experiências e ensaios até se chegar ao produto industrial definitivo. Um dos últimos passos é a elaboração do protótipo.



III - Fabricação/Produção


Fase da realização definitiva do produto que será comercializado. A fabricação tem as seguintes fases:
· Definição de métodos e meios de fabricação
· Produção
· Controlo de qualidade
· Manutenção do material de produção


Para se chegar a uma produção de qualidade, o engenheiro põe em prática não só as suas competências técnicas, como as suas capacidades de coordenar e dirigir pessoal



IV - Comercialização

Não basta criar, inventar, fabricar o melhor e o mais barato possível. É também necessário que o produto corresponda às necessidades do cliente.
No caso dos produtos industriais é necessário que a competência técnica do engenheiro seja elevada, pois mesmo que o produto se dirija ao grande consumo, passa primeiro por uma clientela intermediária que é versada tecnicamente.
O engenheiro comercial deve conhecer e compreender todas as possibilidades de utilização do produto, assim como ser capaz de prever adaptações eventuais em função de problemas particulares colocados pelos clientes.



O PAPEL DO ENGENHEIRO NA ORGANIZAÇÃO E NA DIRECÇÃO


A criação de bens industriais atinge uma elevada complexidade e requer a intervenção de numerosos trabalhadores, muitas vezes com funções altamente específicas. Esta complexidade exige uma grande coordenação das actividades, controlo dos desempenhos, etc.

As empresas têm de recorrer a especialistas aptos a observar como é que os objectivos estão ou não a ser alcançados, estabelecer diagnósticos das situações, prescrever soluções e propô-las aos “decisores”.
As funções de organização e de gestão são confiadas a Engenheiros de Produção que intervêm no domínio dos instrumentos/aparelhagem utilizada e na articulação das diversas funções profissionais entre si, com vista a melhorar as condições de execução.



DISTRIBUIÇÃO DOS ENGENHEIROS PELAS DIVERSAS FUNÇÕES


Segundo a empresa, a sua organização, a sua dimensão, entre outros factores, assim a repartição dos engenheiros pelas diversas funções.
Em pequenas e médias empresas verificam-se agrupamentos de várias funções sobe a direcção de um mesmo engenheiro. Muitas vezes as empresas não têm um serviço de investigação próprio. As empresas de serviços recrutam engenheiros para funções bem definidas.

Em empresas de grande dimensão não é raro encontrar engenheiros em lugares de Directores de Marketing ou Directores Financeiros, que graças às funções exercidas ao longo da sua carreira adquirem conhecimentos e competências necessárias as estas funções.

guia de visita de estudo a empresa -alunos de cursos técnicos e profissionais

GUIA PARA RECOLHA DE INFORMAÇÕES DURANTE VISITAS DE ESTUDO A EMPRESAS



Nome da empresa:

Número total de trabalhadores:

Produtos:

Breve história e idade da empresa:

Departamentos, Secções, Organograma:

Número de técnicos de x :

Tipo de funções que desempenham e suas principais tarefas:

Formação académica e profissional que possuem:

Quais são os critérios para considerar que um técnico tem um bom desempenho:

Como é que um técnico pode ascender na carreira? Quais os benefícios alcançados?

Como é habitualmente o processo de selecção de novos técnicos de x para a empresa?

O que mais se valoriza num candidato que acabou recentemente um curso x?

Qual é a Missão desta empresa?

Quais as estratégias mais recentes da empresa?

Quais os principais veículos de comunicação formal da empresa?

O que tem sido eventualmente feito para aumentar a eficácia da comunicação em geral?

Se quizesse completar esta frase como o faria ? “ Nós aqui somos…”, ou “O que nos distingue das outras empresas é…”

Outros dados sobre a empresa:





Data __/__/__ Aluno(s):

procrastinar

É deixar para amanhã o que se pode fazer hoje, o que se deve fazer hoje, o que é imprescindível que se faça hoje!
De todas as ameaças ao sucesso esta é a mais perturbadora e desconcertante.Os truques são vários.

Três casos

“O estudo será feito logo, em casa; não posso estudar quando chego a casa porque preciso de descansar de um dia inteiro de escola, longo e cansativo; à noite não dá para estudar porque os meus pais têm a TV ligada e o meu irmão está a ouvir música;…mas no fim-de-semana agarro-me, mas se não for neste, será no próximo!”

“Não posso fazer este relatório até ter lido todos os livros da biblioteca, e ainda não fui à biblioteca porque perdi uma aula no início do período onde se explicava como se arranjava o cartão”

“Como o professor não gosta de mim vou chumbar de qualquer maneira, quer estude ou não”

A procrastinação deve-se a conflitos internos, por vezes entre ser-se perfeccionista e gostar de gozar o tempo livre. É uma resistência passiva, armadilhada, à eficácia pessoal. Tem sempre um benefício secundário a curto prazo, que bloqueia o alcance de metas de vida importantes para o indivíduo. Gera quase sempre ansiedade, desilusão consigo mesmo e diminui a credibilidade face aos outros.
Acabar com a procrastinação implica clarificar objectivos e tomar decisões sobre o que realmente se quer ou não fazer e tomar consciência das respectivas consequências.

a questão dos limites

"Não restam dúvidas de que hoje há insegurança sobre a educação dos filhos. Existem teses e teorias diversas, que apontam direcções, muitas vezes opostas, e que criam um dilema para os pais: - Como educar? Qual é o caminho correcto? Uma coisa parece ser certa: as atitudes firmes e coerentes são fundamentais na educação dos filhos.

Limites, regras e vida em sociedade

Por mais que lhe custe ouvir falar deste assunto, não se esqueça que os limites e as punições são uma constante nas nossas vidas. Por exemplo: um motorista que segue acima do limite máximo de velocidade permitido, será multado, ou seja, punido. Viver em sociedade significa obedecer a regras. Muitas vezes não percebemos, mas estamos constantemente a respeitar e a definir limites. Não seria possível viver colectivamente sem eles. Por isso, a criança precisa aprender desde cedo como comportar-se em grupo. Naturalmente que é dever dos pais atender os pedidos dos filhos, mas sempre dentro de determinados limites impostos pela sociedade e pela educação dos próprios progenitores. É preciso saber dizer não, de uma forma positiva e coerente, caso contrário vamos estar a interferir no desenvolvimento correcto da criança.

Saber dizer "não"

Dizer "não" a uma criança é uma atitude, dentro do processo educativo, necessária e saudável. A criança precisa de compreender que existem regras, que tudo tem um momento certo e que há horas para brincar, para dormir, estudar etc. Quando a criança tem liberdade total, tem dificuldade em apreender e aceitar regras e limites. A falta de firmeza dos pais leva a criança a impor a sua vontade. Então, é ela que determina o que vai comer, o que vai vestir, que programa assistir na TV, como deve ser mobiliado seu quarto, etc. Habituados a impor a sua vontade, a criança e o adolescente não aceitam ser contrariados. Dizer "não" a uma criança, no momento certo, não é prejudicial. Muito pelo contrário. Esta pequena palavra é necessária, uma vez que a criança está ainda a construir a sua concepção do mundo. A criança precisa de conhecer os limites, saber distinguir aquilo que pode ou não ser feito, para conseguir viver em sociedade. Ao contrário do que muitos pais pensam, a criança é capaz de entender um "não". A recusa não gera traumas, mas tem que ter uma razão e coerência. Ao proferir a negação, o adulto mostra que se preocupa com a criança, e, para ela, isto vale muito mais do que muitos brinquedos ou a realização de todas as suas vontades. Ela poderá chorar ou "fazer birra", mas isso faz parte da sua socialização. Assim, o adulto deve pensar no bem da criança quando tiver diante de si uma situação em que precise de negá-la. Pode ser um pouco difícil dizer não, mas é preferível ver uma cara triste por apenas alguns momentos, do que testemunhar problemas mais graves que poderão fazer a criança sofrer mais tarde.

Os limites, os castigos e a culpa

Os limites ensinam à criança como respeitar o próximo, facilitando a socialização, por isso devem fazer parte da educação. Uma vez que vivemos em sociedade, é necessário haver respeito pelas regras pelas quais esta se rege. Quando um limite não é respeitado, é importante que haja um "castigo", que não deve ser físico. Pode-se, por exemplo, proibir uma brincadeira ou um passeio de que a criança goste. Mas atenção, a punição deve ser sempre equivalente à gravidade do acto cometido e aplicada de imediato. É importante deixarmos claro que "limite" é diferente de "repressão". O primeiro actua sobre a criança através dos castigos, enquanto que a repressão o faz através da culpa. O castigo age sobre o acto e a culpa sobre a pessoa. Durante o desenvolvimento da criança, estabelecer e conhecer os limites é saudável quando estes se referem apenas aos actos, não desmerecendo ou desvalorizando a pessoa. A criança não deve sentir-se culpada pelos seus actos, mas ser-lhe imputada responsabilidade por estes. Alguns limites - conselhos Assim, aqui vão alguns conselhos para conseguir colocar limites de uma forma positiva:
· Não autorize ou proíba conforme os seus desejos pessoais e o estado de espírito do momento;
· Demonstre que os adultos também têm limites a respeitar;
· Justifique os motivos do limite: "não faças isso porque eu não quero ou porque eu não gosto" não é justificação. As razões devem ter a ver com segurança e/ou com respeito;
· Não dê castigos físicos - rapidamente deixam de surtir efeito;
· Diga qual punição a dar quando um limite é ultrapassado, e não deixe de a executar;
· Dê castigos brandos para atitudes pouco graves e castigos pesados para atitudes graves;
· Deixe claro que a punição corresponde ao acto e não à pessoa;
· Repita um "não" quantas vezes for necessário;
· Use a sua autoridade sem humilhar;
· Use da afectividade para impor limites. Dar o exemplo - ajustá-lo à criança / ressalvar a diferença

A criança precisa de parâmetros

Os adultos, são responsáveis directos no que diz respeito à sua aprendizagem, porque as crianças buscam neles um reforço, seja ele negativo ou positivo. Por isso, é preciso estar atento aos comportamentos que tomamos. Lembre-se que os nossos modos são imitados pelas crianças. Se dizemos que uma atitude não é correcta e mesmo assim a fazemos, com certeza a criança ficará insegura, não acreditará no que lhe é dito e fará exactamente o que não devia, já que ela aprende muito mais pelo que vê do que pelo que ouve.
Para rematar:
· Explique sempre quando e porquê as suas acções lhe são permitidas a si e à criança não. Refira razões de capacidade, idade, segurança, adequação ou responsabilidade.
· Nunca tenha medo de dizer "não", mas explique sempre porquê.
· Deixe a criança colaborar, na medida do possível.
· Quando e sempre que for possível, ensine. "


texto integral retirado de http://www.educacao.TE.pt em Maio de 2006

o que é a dislexia?





Entende-se por dislexia uma dificuldade de aprendizagem específica, que afecta a leitura e a escrita. Quem tem dislexia não automatizou a identificação de palavras e a leitura é mais lenta e com erros. O leitor com dislexia pode ter que soletrar as palavras, sobretudo se forem pouco familiares, relê-las ou reler a frase. Ao concentrar-se mais na tarefa de descodificação do texto pode ter mais dificuldade em concentrar-se nos conteúdos. Também, para o disléxico, a escrita é uma actividade não suficientemente automatizada, e pode sentir dificuldade em pôr por escrito as suas ideias, organizar as frases e memorizar a ortografia das palavras.

A dislexia tem origem, na maioria dos casos, numa dificuldade fonológica, ou seja em segmentar os sons da fala nas suas unidades mínimas, os fonemas, e fazer a associação entre os fonemas e os grafemas ou letras. É uma questão de funcionamento neurológico, que podemos considerar não como uma deficiência mas como um modo de funcionar.

A dislexia está muitas vezes associada a boas capacidades noutras áreas do funcionamento intelectual tais como, por exemplo, o raciocínio lógico, a capacidade de abstracção, o raciocínio espacial, a criatividade.

Existem graus de dislexia pelo que a situação pode ser mais ou menos acentuada. Também as condições em que decorreu a aprendizagem da leitura e escrita nos primeiros anos de escolaridade, o apoio e tipo de ensino que a criança teve, influenciam o futuro desempenho do disléxico.

É comum o disléxico ter desenvolvido outros problemas, não pela dislexia em si mas pelas suas consequências no rendimento escolar e na imagem de si próprio. O disléxico que não teve o devido apoio desde o início da escolaridade sentiu de forma intensa o insucesso nas tarefas que são as mais importantes na escola: ler e escrever.


É natural que tenha desenvolvido uma baixa auto-estima como aluno, ansiedade em várias situações escolares, evitamento de tarefas escolares que envolvem leitura e escrita. Por estes motivos pode acontecer que esteja a ter resultados escolares abaixo das suas capacidades.

O que se pode fazer para minorar os problemas no ensino secundário

A identificação da dislexia deve ser feita o mais cedo possível para que a criança tenha um ensino adequado na fase de aprendizagem de leitura e escrita. No entanto, é possível melhorar a situação em qualquer idade.

No ensino secundário a ajuda pode passar pelos seguintes aspectos, tendo sempre em atenção a individualidade e características de cada aluno:

Treino fonológico – Exercícios de segmentação e fusão de fonemas;
Treino de escrita – Aprender a escrever mais correctamente usando técnicas de escrita;
Treino de leitura – Aprender técnicas de leitura mais eficazes;
Desenvolvimento de métodos de estudo – Conhecer o seu estilo de aprendizagem e tirar mais partido do estudo usando técnicas mais eficazes;
Aprender a reduzir a ansiedade – Aprender a ter mais segurança ao desempenhar tarefas escolares e nas situações de avaliação.
Desenvolver uma auto-estima positiva – Aprender a acreditar em si, a valorizar e ter confiança nas suas capacidades e a lidar com as suas dificuldades.

Medidas de Ensino Especial :

Adaptações na avaliação - Adaptando ou dando mais tempo nas avaliações escritas e não valorizando os erros, diversificando as modalidades de avaliação;
Aulas de Apoio Pedagógico Acrescido - em Língua Portuguesa para desenvolver alguns dos aspectos referidos acima, em Língua Estrangeira e pontualmente nas disciplinas que sinta necessidade;
Adaptações curriculares – adaptações nos programas das disciplinas, caso seja necessário em Língua Estrangeira.


texto de Luisa Mota

sábado, 16 de dezembro de 2006

dependências

Sítio do Instituto da Droga e da Toxicodependência:

http://www.idt.pt

quinta-feira, 14 de dezembro de 2006

conselhos aos pais que se separam

<• Reafirme, aos seus filhos, o seu amor por eles e que irá cuidar deles e satisfazer as suas necessidades, independentemente do que possa acontecer entre si e o outro progenitor. Diga-lhes que vai estar sempre ao pé deles e que tudo irá correr bem. Explique-lhes que existirão momentos em que vocês poderão sentir-se confusos, talvez tristes ou furiosos, mas que também terão momentos felizes.
• Conforte os seus filhos, seja o seu abrigo seguro, onde eles podem expressar os seus sentimentos. Esteja atento aos diferentes medos que possam ter e à possibilidade de se recriminarem pelos problemas que você possa estar a atravessar. Poderá ajudar recordar-se que «os filhos são bons observadores mas maus intérpretes.»
• Assegure, aos seus filhos, que eles ainda têm família mas agora em dois lares, em vez de um. Use termos positivos como «estar no teu outro lar» ou «estar com a mãe ou pai» em vez de falar em «visita.» Explique as coisas. Desmistifique as coisas com informação apropriada ao seu filho sobre as mudanças que podem ocorrer, o que será dife­rente e o que permanecerá igual.
• Seja o adulto. Mostre, pelos seus actos, que consegue enfrentar os pro­blemas e que os seus filhos podem confiar em si. Explique-lhes que a separação ou o divórcio é assunto de adultos entre a mãe e o pai. Nunca sugira ou diga que os seus filhos tiveram alguma culpa nas lutas com o seu ex-cônjuge ou no fim do vosso casamento. Não envolva os seus filhos na sua comunicação ou nos eventuais problemas com a mãe ou pai deles.
• Dê possibilidade aos seus filhos de poderem dar a sua opinião mas assuma a responsabilidade pela decisão final. Respeite as necessida­des, desejos e opiniões dos seus filhos. Mostre-lhes que são importan­tes e respeite as suas opiniões, mas não lhes pergunte com quem pre­ferem viver e se você e o outro progenitor se devem separar ou não.
• Forneça estrutura e previsibilidade. Um sentido de ordem é um ingredi­ente fundamental para fortalecer a segurança, continuidade e assegu­rar que as coisas estão sob controlo. As rotinas regulares, as regras caseiras e de segurança são componentes desta estrutura. A flexibilidade também é importante mas uma estrutura razoável é a base.
• Apoie o outro progenitor e facilite-lhe as coisas para ele ou ela terem uma boa relação com os seus filhos. Não fale mal dele ou dela nem tente virar os seus filhos contra ele ou ela. Se o outro progenitor for peri­goso ou agressivo, arranje ajuda especializada de imediato e proteja-se a si e aos seus filhos.
• Facilite ao outro progenitor o acesso ao que está a acontecer com os seus filhos. Os seus filhos precisam que vocês os dois estejam em con­tacto e atentos às suas necessidades, alegrias, sucessos, preocupa­ções, saúde e progressos. Troquem informações entre vós, mesmo nas coisas mais pequenas, se puderem. É uma grande conquista com a qual os vossos filhos lucrarão.
• Nunca ameace abandonar os seus filhos, nem mesmo na esperança de que assim lhe obedeçam. É desonesto e escusadamente ameaçador e pode fazer com que percam o respeito e a confiança que sentem por si.
• Mantenha um calendário, de fácil leitura, que os seus filhos possam con­sultar a qualquer momento. Mostre-lhes onde vai ser o outro lar. Leve-os consigo quando for ver apartamentos ou casas. Quando os seus filhos mudam de casa, precisam de um tempo para se adaptarem.
• Reconheça e reaja aos sinais de perigo. As crianças são resistentes mas só até um certo ponto. A partir daí, as coisas podem facilmente deteriorar-se. Esteja atento [atenta] aos sinais de perigo e não espere demasiado até procurar apoio profissional.
• Não dê a entender aos seus filhos que poderá vir a reconciliar-se com o outro progenitor. Alimentar falsas esperanças não vai ajudá-los a adap­tar-se à vida nova.
• Sossegue os seus filhos repetidamente, durante os primeiros dois anos, após a separação. Esta atitude, da sua parte, é muito importante para a sensação de segurança dos seus filhos, em particular através de actos e de manifestações de afecto que demonstram que você está feliz por eles serem seus filhos, que você os ama e que vai tomar conta deles para sempre.
• «Ofereça-se» aos seus filhos. Dê-lhes momentos em conjunto, contac­tos quando estiverem separados, a sua atenção, a sua presença física, assim como o seu amor; abraços, cotoveladas, risos e encorajamento. Tente não deixar estas coisas a cargo de amas, treinadores ou familia­res. Os seus filhos precisam é de si em primeiro lugar.>


Texto integral de :

Ricci, I. Casa da mãe casa do pai. Construir dois lares para os seus filhos. Um guia para pais separados, divorciados ou que voltaram a casar. Lisboa. Ed. Sílabo.2004